Fotografia de vida selvagem (wildlife photographer)

Posts com tag “Mamíferos

Vida de Fotógrafo de natureza selvagem.

Muita gente acha que a vida de um fotógrafo de natureza é um glamour, mas não imaginam os perrengues que passamos. São dias dirigindo por estradas de asfalto ou de terra. Quilômetros de caminhadas no sol ou na chuva, calor, frio, mosquitos e carrapatos. Cansaço (muito), fome e algumas lesões. Tudo isso para conseguiu uma boa foto.

Adoro!!! hehehehe

Anúncios

Imagem

Cervo-do-pantanal (Blastocerus dichotomus)

Pantanal 2018


Irara (Eira barbara)

Essa é foi a oitava vez que estive no Pantanal da Nhecolândia, em Mato Grosso do Sul e como eu disse no post anterior, cada ida ao pantanal sempre rende boas fotos, sempre tem algo novo para ser fotografado. Foi o caso dessa Irara.

Parente da marta e dos fuinhas, a Irara é um animal carnívoro e a única espécie do gênero Eira. Sem incluir a cauda, chega a ter 60 centímetros de comprimento.


Hoje, 12 de novembro, é o dia do Pantanal!

Localizado no coração da América do Sul, esse imenso reservatório de água doce, é fonte de vida para diversas espécies animais e vegetais, atuando como um gigantesco berçário para todas elas.

Minha pequena contribuição a esse bioma tão castigado pela ação humana.

 


Graxaim ou Sorro (Pseudalopex gymnocercus)

O graxaim ou sorro é um mamífero carnívoro da família dos canídeos, encontrado nos campos úmidos do Sul do Brasil, no Paraguai, no Norte da Argentina e no Uruguai, sendo conhecido como zorro de las Pampas nestes três últimos paíse

Tive o privilégio de fotografá-lo na base Santa Marta da Estação Ecológica do Taim, no Rio Grande do Sul.

 


11 de setembro é o dia nacional do Cerrado.

Localizado no coração do Brasil, ligando três países da América do Sul, são encontrados no Cerrado mais de cinco mil espécies brasileiras, como o Lobo-Guará, o Tamanduá-Bandeira e a Onça-Pintada. Chamado de “o berço das águas”, por abrigar as nascentes de importantes bacias hidrográficas da América do Sul: Platina, Amazônica e São Francisco e por isso, funcionando como um elo entre quatro dos cinco biomas brasileiros.

Em homenagem a esse bioma brasileiro, que é um dos mais devastados do país, metade do Cerrado já foi destruído, algumas fotos que fiz nas várias vezes que por estive por lá.

 


Galeria

Mais fotos de Alta Floresta, MT.


Estação Ecológica do Taim, RS.

A Estação Ecológica do Taim (ESEC Taim) é uma das mais principais estações ecológicas do Rio Grande do Sul e um dos principais ecossistemas do Brasil. Está localizada no sul do estado gaúcho, compreendendo parte dos municípios de Rio Grande e Santa Vitória do Palmar, entre a Lagoa Mirim e o Oceano Atlântico, próximo do Arroio Chuí, na fronteira do Uruguai.

Um dos principais motivos que levaram à criação da Estação Ecológica do Taim em 1986, foi o fato de esta área ser um dos locais por onde passam várias espécies de animais migratórios vindos da Patagônia.

A simples utilização da estação como área de descanso, de crescimento ou nidificação torna-a ainda mais importante pois para as espécies migratórias a destruição de uma área na rota de migração pode colocá-las em risco de extinção.

 

 


Novo vídeo com fotos da Estação Ecológica do Taim, RS.


Solstício

O cãozinho da foto é o Solstício. Seu nome vem de Solstício de Verão, que é um fenômeno da astronomia que marca o início do Verão. É o instante em que determinado hemisfério da Terra (hoje, o hemisfério sul), está inclinado cerca de 23,5º na direção do Sol, fazendo com que esse hemisfério receba mais raios solares. No solstício de Verão ocorre o dia mais longo do ano e, consequentemente, a noite mais curta, em termos de iluminação por parte dos raios Sol.

O Solstício, foi um amiguinho que fiz quando estive a primeira vez na Lapinha da Serra. Ele me acompanhou em praticamente todos os lugares que fotografei. Em homenagem aos Solstícios – o cãozinho e o de Verão, algumas fotos que fiz na Lapinha da Serra, que está localizada na região da Serra do Cipó e que faz parte da área de proteção do Parque Nacional da Serra do Cipó.